Friday, December 14, 2018
Banner Top

Investigadores do Porto e Algarve descobrem como levar as células cancerígenas ao “suicídio”

 

Patrícia Silva, Cláudia Florido e Álvaro Tavares, investigadores do CBMR, publicaram, recentemente, na Cancer Letters, um artigo no qual sugerem uma nova abordagem terapêutica para tratamento do cancro. Este trabalho, coordenado por Hassam Bousbaa, do  CESPU, contou também com a colaboração de um grupo de investigação do IPATIMUP/i3S, coordenado por Helena Vasconcelos.

 

“Quando as células de linhas celulares de cancro do pulmão são impedidas de produzir a proteína ‘spindly’, estas passam a responder de forma mais eficiente ao paclitaxel”, um medicamento usado em quimioterapia, disse à Lusa o professor da Cooperativa de Ensino Superior Politécnico Universitário (CESPU) Hassan Bousbaa, um dos responsáveis pelo projeto.

A função do paclitaxel é impedir o crescimento das células cancerígenas, uma vez que inibe a divisão celular, sendo aplicado em casos de cancro do pulmão, dos ovários e da mama, por exemplo.

Este estudo mostrou que a supressão da ‘spindly’ atrasa a saída mitótica (que se dá quando uma célula se divide mesmo na presença do fármaco que, em princípio, deveria inibir a sua divisão) e leva à autodestruição das células cancerígenas, quando tratadas com esse medicamento, explicou.

Sendo uma proteína necessária para a divisão das células normais, a sua supressão pode ter efeitos negativos, referiu o professor, acrescentando que o paclitaxel também tem, visto que interfere com a divisão celular normal. Espera-se”, no entanto, que estes efeitos “sejam revertíveis no fim do tratamento”.

Com este projeto os investigadores pretendem “dar uma nova vida aos medicamentos mais usados e com uma longa história de sucesso no combate ao cancro, mas aos quais algumas células do cancro conseguem adaptar-se e sobreviver”, referiu Hassan Bousbaa.

O objetivo, continuou o professor, “é impedir esta adaptação, ajudando estes medicamentos convencionais a combater melhor as células do cancro”.

De acordo com o responsável, esta a estratégia mostrou-se eficaz em células de cancro produzidas em laboratório, sendo o próximo passo o teste com animais, projeto que prevê iniciar em janeiro de 2018.

Este trabalho, cuja primeira autora é a investigadora da CESPU Patrícia Silva, foi cofinanciado pela Fundação para a Ciência e para a Tecnologia (FCT) e contou com a participação de Helena Vasconcelos, do IPATIMUP/i3S, do Porto, e de Álvaro Tavares, da Universidade do Algarve.

O estudo teve a duração de dois anos e foi publicado recentemente na revista científica Cancer Letters.

Neste estudo os investigadores mostram que ao silenciar a proteína ‘spindly’ é possível potenciar a eficácia do paclitaxel, uma das drogas mais usadas para o tratamento do cancro. 

Banner Content
Tags: , , , , ,

Related Article

0 Comments

Leave a Comment