Sunday, November 18, 2018
Banner Top

Investigadores da Universidade de Purdue, nos Estados Unidos, criaram um conjunto de dispositivos eletrónicos wearable que se podem facilmente incorporar na pele, podendo ser utilizados para monitorizar a atividade física dos pacientes e alertá-los sobre possíveis riscos para a saúde em tempo real.

 

Uma cirurgia ao coração pode ser um momento traumático para muitos pacientes. Mas ter de monotorizar, constantemente, o seu estado de saúde, quando regressar a casa, sem a ajuda de um médico, pode ser ainda mais assustador. Agora, imagine ser capaz de o fazer através de um simples autocolante que é aplicado no seu corpo.

 

Investigadores da Universidade de Purdue, nos Estados Unidos, acabam de lançar um dispositivo autocolante que nos permite estar cada vez mais próximos desta realidade. A investigação, recentemente publicada na revista ACS Advanced Materials and Interfaces, é já considerada, para muitos, como autêntica ‘tecnologia de ponta’.

 

“Pela primeira vez, criámos um dispositivo eletrónico wearable, feito de papel,  que qualquer um pode facilmente integrar à sua pele. Trata-se de uma solução barata, que reduz em muito os custos associados à medicina personalizada”, afirma Ramses Martinez, professor assistente e líder da investigação.

 

O lançamento deste dispositivo surge alinhado com a celebração dos Giant Leaps, reconhecendo os avanços globais desta universidade na área da saúde, como parte do 150º aniversário da Instituição. Recorde-se que este é apenas um dos quatro temas de investigação através dos quais a universidade pretende afirmar-se como um centro intelectual disposto a resolver os problemas da vida e do mundo real.

 

Estes “autocolantes inteligentes” são, assim, feitos de celulose, um material, simultaneamente, biocompatível e respirável. Os dispositivos podem ser usados para monotorizar a atividade física e alertar o utilizador sobre possível riscos de saúde em tempo real.

 

Para além disso, os profissionais de saúde podem usar os autocolantes como sensores interiores para monotorizar o sono dos pacientes, uma vez que estes podem ser integrados a órgãos internos sem reacções adversas ou prejuízos para a saúde dos pacientes.

 

Por outro lado, também os atletas pode servir-se desta tecnologia para monotorizar a sua saúde enquanto correm, nadam, ou fazem qualquer outro tipo de exercício.

 

Os adesivos encontram-se padronizados em forma de serpentina para que se possam ajustar à pele, tornando-se praticamente imperceptíveis por parte dos seus utilizadores.

 

Note-se que, uma vez que o papel se degrada facilmente quando fica molhado e em contacto com o suor dos utilizadores, os adesivos foram revestidos com pequenas moléculas que repelem a água, a oleosidade, a poeira e as bactérias.

 

Cada adesivo custa aproximadamente um cêntimo a ser produzido e pode ser feito recorrendo a tecnologias de impressão e fabrico semelhantes às usadas para imprimir livros a alta velocidade.

 

“O custo reduzido destes dispositivos wearable e a sua compatibilidade com técnicas de produção em larga escala permitirão a sua rápida integração numa variedade de aplicações médicas que exigem sistemas de diagnóstico de uso único”, garante Ramses Martinez.

 

A tecnologia em causa encontra-se já patenteada pelo Gabinete de Transferência do Conhecimento da Universidade de Purdue mas procura, no entanto, parceiros para testes e comercialização.

 

Saiba mais em http://bit.ly/EPED-Purdue.

 

 

© Purdue University. “Simple stickers may save lives of patients, athletes and lower medical costs.” ScienceDaily. ScienceDaily, 16 October 2018. <www.sciencedaily.com/releases/2018/10/181016132009.htm>.

Banner Content
Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

Related Article

0 Comments

Leave a Comment

SEGUE-NOS

GOOGLE PLUS

PINTEREST

FLICKR

INSTAGRAM

LINKEDIN

YOUTUBE

Ebook

Patrocínios

Parceiros Científicos